O dia que minha vida vai descruzar da sua

  wp-1453759822035.png Vejo você passar por mim e a vontade que não consigo negar é a de te trazer pra perto. Mas desvio o olhar, assim como você.
Nós brincamos de fingir não notar a presença do outro, mas mesmo sem te olhar conto teus passos e quase posso sentir tua respiração perto de mim.
O  silêncio entre nós grita tão alto que quase todos conseguem notar.
Me pergunto o que houve de tão errado. Eu sei. Eu sempre botei toda a culpa em você, mas nunca foi somente tua culpa meu bem. Eu errei demais também, e agora é tão tarde pra eu me desculpar? Porque eu sinto muito, muito mesmo. Mas, em que momento nós chegamos a isso? De você passar e eu nem sequer poder te chamar e falar abobrinhas que fingiriamos ser um papo casual.
Éramos tudo um pro outro antigamente. Hoje não nos permitimos mais nem um olhar. E eu sinto um aperto enorme no coração só de te imaginar seguindo em frente com a sua vida sem mim, imagina o que eu sinto quando vejo isso acontecendo. Eu sei, eu sei, você já seguiu e já mostrou bem isso… e eu também já, mas ainda assim é duro imaginar.
Minha vontade é de gritar “Sabe a camiseta que ele ta usando? Ele usa o tempo todo porque uma vez eu falei que quando ele a colocava seus olhos ficavam mais verdes. Sabe o cabelo? Eu impliquei com o penteado estranho que ele fazia até ele deixar assim, do jeito que eu gosto. Sabe esse jeito que ele te chama? É parecido com o jeito que ele me chamava. Sabe o número do celular dele? Fui eu que escolhi depois de tempos insistindo para ele comprar um chip novo pra sermos da mesma operadora. Eu era a primeira pessoa que ele pensava ao deitar no travesseiro, e você não o conhece. Não do jeito que eu conheço. Não sabe todas as manias esquisitas dele e não vai aprender a lidar com os defeitos dele como eu lidei.”
Que raiva!
Às vezes me dá uma vontade louca de te ligar e voltar no tempo só por alguns instantes, nem que centésimos de segundo. Só pra saber se você se cuida bem sem mim. Só pra você me contar do seu dia e eu brigar com você na parte que você fala de alguma garota loira e legal. Eu sinto muita falta da gente, só pra constar. Sinto falta do tempo que eu podia te ligar de madrugada pra chorar e fazer drama, e você sempre acabava por me fazer sorrir, nem que precisasse aparecer lá em casa pra isso. E eu acho que nós poderíamos ter dado certo sim, se quiséssemos, mas não rolou.
Deixo então a máscara de frieza cair um pouquinho e me permito olhar pra você só por um instante. Você me olha de volta e o nó na garganta só aumenta. Quase três segundos depois, a gente se recompõe e volta a tentar ignorar a presença um do outro, descruzando novamente o olhar. E eu, mentalmente, saio torcendo pra que um dia possa descruzar minha vida da sua também.

M.S.B.

Anúncios

Só mais um dia 17 pro amor dos dois

12499100_1131914300153444_621351590_o

Ela estava sorrindo, não era um sorriso de verdade, era só mais um daqueles sorrisos frios e sem emoção que ela fingia para evitar as perguntas diárias que andava recebendo sobre seu estado emocional. Mas ela sorria. Sorria enquanto lembrava de tudo aquilo que ela sabia que devia esquecer, enquanto revivia em suas memórias tudo o que ela sabia que devia deixar pra trás. Eram só memórias agora vazias e partidas, que voltavam a saltar em sua mente de repente quando ela estava despreparada. Ela amou quem não devia amar e agora tentava remendar o que restara do seu coração.

Ele mexia com ela de um jeito que ninguém nunca poderá entender. Mexia, mexe, mexeu, não sabia mais que tempo usar na frase sobre o ex-amor que ainda a assombrava.

As lagrimas escorriam de seus olhos verdes enquanto o pseudo-sorriso desaparecia de sua boca. Todos notavam a diferença nela, ela nunca se arrumara tanto quanto agora, enquanto todos achavam que isso era um sinal de que ela havia o superado ela sabia que na verdade era só ela tentando parecer inteira por fora para que ninguém notasse quão quebrada ela estava por dentro.

Ela ultimamente não vivia, sobrevivia. Respirava, e isso quando ele não a roubava o ar. Não comia, se alimentava da falta que sentia dele, ou a falta se alimentava dela, isso ninguém nunca irá saber. Ela fechava os olhos e tentava fingir que tudo não passava de um sonho, que as palavras que antigamente a faziam sorrir nunca tinham existido, afinal, era melhor assim, ela sabia.

Doía muito nela, mas ela fingia que não quando pela manha vestia o seu melhor sorriso e escondia a olheira e os olhos fundos com maquiagem. Ela era forte, segurava o choro quando o via pra só chorar em horas como essa, sozinha. Era como se nem ela estivesse ali, era como se cada memória tivesse vida própria e saltasse em sua cabeça. Ela continuava a chorar, agora em um ritmo forte e descompassado, queria ligar pra ele e perguntar o que havia acontecido com as antigas promessas. Tinham todas ido esgoto a baixo? Mais memórias, hoje era dia 17.

Que bosta de dia 17, ela eliminaria todos eles do calendário se isso fosse resolver, mas nada resolveria.

Ela chora, chora como se isso fosse resolver o problema enquanto se pergunta se dentro dela há um estoque infinito de lagrimas, porque antigamente ela acharia que uma pessoa se desidrataria após chorar tanto assim. Pensa na piada que ele faria sobre essa constatação boba e volta a chorar. Chora como se o mundo fosse acabar.

Ela pega o celular e começa a o escrever uma mensagem. Escreve mas desiste de enviar. Ao invés disso o liga. Será que ele iria a atender? O telefone chamava, ele tava demorando pra atender, ela estava pensando em desistir. Ele atende.

-Alô

(Ela respira fundo ao ouvir a voz dele, imagina se ele está feliz sem ela, se já a esqueceu completamente, daí ela se lembra que ele não tinha nada para esquecer, nunca a amou. Ela volta a chorar.)

-Se é pra me ligar só pra chorar ou pra me xingar não ligue, já te disse isso.

-Oi – foi o que ela disse, a primeira coisa sã que surgiu na cabeça dela. Ela falou oi enquanto queria dizer “oi meu amor, lembra de mim, da sua linda?” ou “oi, sou aquela menina que há alguns dias atrás você chamava de amor, lembra?”, mas só disse oi, ela sabia que provavelmente mais tarde se arrependeria de ter feito essa ligação. Ele escutou e ficou em silêncio, enquanto ela se perguntava sobre porque ligava pra ele se isso era só cutucar a ferida do quase amor deles que parecia que nunca cicatrizaria mais. Então antes que ela desligasse pra voltar a chorar ele resolveu responder.

-Oi, quanto tempo. Tudo bem? – mas ela mal o ouvia, tinha muito barulho. Ele provavelmente estava em uma festa por aí. Já nem lembrava mais dela, não é?

-Sim, faz tempo mesmo. Desculpa te ligar assim, só que hoje é dia 17 e eu não consegui evitar lembrar de você – não que ela não lembrasse todos os outros dias do mês, mas ele não precisava saber disso- eu não estou conseguindo seguir adiante que nem você, na verdade nem consigo imaginar como você fez isso, o que fez com nosso amor? Eu me doei inteira a você, por que você não se deu de volta?

– Isso é uma cobrança?

– Talvez seja sim, talvez eu tenha ligado na esperança de que eu ainda tenha direito de cobrar você. Na esperança que você ainda seja tão meu quanto eu sou sua. – ela volta a chorar – to completamente perdida.

– Perdida, onde?

– Dentro de mim, tá tudo uma confusão por aqui, sabe. Você me deixou uma bagunça. Está o tempo todo na minha cabeça, no meu coração, não sei mais o que eu faço. Eu quero você de volta pra mim.

– Você sabe que isso não vai acontecer, minha pequena.

– É talvez, talvez eu deva só virar a pagina e superar isso, né? Ou melhor, jogar o livro fora e começar a escrever uma outra história, não é? Mas é tanto amor, tanta dor, tá uma confusão dentro de mim.

– Você já disse isso. Onde você quer chegar?

– Eu só precisava te dizer tudo isso, não queria morrer com tudo isso preso dentro de mim. Precisava vomitar esses sentimentos. Precisava falar de nós. – Se bem que por dentro ultimamente ela já estava morta. Ela não vivia, (res)pirava sem ele por perto. Ela havia parado de fazer tudo o que gostava, porque parecia que tudo a lembrava dele, e tudo o que ela mais precisava agora era o esquecer.

Ela desaba em lagrimas.

– Não há mais um nós – ele fala de um jeito mais pra si mesmo do que pra ela.

– Não fala assim –ela reclama.

– Não dá mais, você sabe tanto quanto eu. A gente nunca ia dar certo.

É, chegou o momento que ela imaginara antes, o que ela ia se arrepender de ter ligado.

– Você não é mais o meu amor. Eu sou feliz sem você. Te falo tudo o que você quiser se isso for o que você precisa pra seguir em frente. Ficou mais fácil agora?

Ela nem consegue mais falar no meio de tanto choro.

– Me esquecer é o melhor que você faz, eu errei, você errou. Não dá mais pra seguir assim, a gente só faz merda meu.

– É, mas a maior merda é a que a gente está fazendo agora: desistir um do outro – é tudo o que ela consegue falar por entre as lagrimas.

– A gente tem que desistir, ou melhor: você tem. Eu já desisti. Nós dois juntos não damos certo. A gente tem amor, mas isso não é tudo, não estava certo.

– Podemos até não ser certos, mas somos nós.

– Não, já te disse, não há nenhum nós, só há um eu e um você. Independentes. Melhor pararmos de nos falar. Para de se torturar, para de me torturar. Você fazendo isso só trás de volta a dor e nos faz chorar.

– Não..

– É melhor assim. Pra nós dois. A gente tem que se afastar pra superar.

– Você pensa em mim todos os dias 17?

– Penso em você todos os dias.Sempre. Se cuida.

– Então tchau. Tenho mesmo que aprender a viver sem ti. Adeus.

– Pensa em mim também? Sinto sua falta minha linda.

– Eu amo você. Não quero viver sem ti, mas vou.

É o fim da ligação, o fim da relação, o fim do nós, o fim das tentativas dela. Mas é só mais um dia 17, pro amor dos dois.

Quem é ela?

   De salto alto, sombra preta, batom vermelho, vestido curto. Essa é ela.

   Mas não foi ela que pegou o ex da amiga. Não foi ela que deu bafão na balada. Não foi ela que traiu a confiança das amigas. Não foi ela que saiu bêbada com você. Não foi ela aquela garota perdida que não sabia o seu próprio valor.

   Mas foi ela que enfrentou sorrindo os problemas quando viu o próprio mundo desmoronando enquanto qualquer outra caiu de primeira.

   É ela que usa e abusa da vida como qualquer outra. E é por não depender de ninguém, que ela é feliz. Sozinha.

   Brincar de amor? Ela aprendeu.

M.S.B.

TAG: 5 coisas

Esse post é especial porque fui indicada pela Martinha Barreto a fazer uma tag sobre cinco coisas! O post dela foi sobre cinco séries, passem lá conferir!

Pensei em falar sobre cinco livros, cinco séries, cinco textos preferidos, cinco músicas que estou amando. Mas não consegui achar só cinco de cada uma dessas coisas. Então resolvi falar sobre as cinco coisas que me fazem feliz ❤

Cachorros 🐩

wp-1449253322978.jpg

Sim, cachorros, pessoas caninas! Quem não ama cachorro é porque nunca teve um, ou então boa pessoa não é afinal eles são uns bichinhos de luz!

Chegar em casa com uma peludinha feliz te recebendo não tem preço! Elas escutam tudo que eu digo, sempre me recebem com carinho e me acompanham por cada canto da casa.

São minhas sombras essas companheirinhas! Eu tenho duas e não tem como não ser feliz ao ser recebida por elas. Minhas pessoinhas de pelo que mais amo e se você não tem uma deveria ter!

Escrever 📖

Ao escrever me sinto vomitando tudo aquilo que ta entalado sabe? Me livrando de tudo que me aflige e suga a cor da minha alma.

Eu costumo dizer que tenho alma de artista, parece que carrego os sentimentos do mundo comigo. E por que não dividi-los? Por isso existe o blog ❤

Livros e séries 📚

wp-1449242559764.jpg
Está chegando as férias e nesse período nem da pra dizer que leio: eu consumo livros. Geralmente mais que um por semana, de todos os estilos.

Nada melhor do que viajar na vida de outra pessoa em meu próprio sofá!

Como meu bolso não aguenta comprar todos os livros e a biblioteca pública já li quase inteira quando me vejo sem coisas pra ler assisto séries.

Minhas séries preferidas da vida são: Gossip Girl, Dexter, House, Grey’s Anatomy e Friends. Mas claro, isso não me impede de me viciar em várias outras e nas férias assistir temporadas em uma semana!

Meu cantinho 🌺

wp-1449253330878.jpg

Sou uma pessoa extremamente comunicativa mas uma coisa que amo é ficar no meu cantinho. Arrumando minhas coisinhas e curtindo o silêncio, curtindo eu mesma… Essa foto é da minha penteadeira e já da pra vocês perceberem que outra das coisas que amo é cor de rosa né?

Amizades 🌈
Ninguém é feliz sozinho. Preciso falar mais? Cultive suas amizades compartilhe suas alegrias e dívida seus anseios com as pessoas que te amam.
Se abrir e se deixar conquistar é tudo de bom!

Eu índico pra tag o blog Hey Carol

M.S.B.

A alegria de ser eu ❤

Esse post é participante de um projeto de blogagem coletiva do facebook: #grupobc

wp-1448901809251.jpg

     É isso. Ele não sabe mais nada sobre mim.

   Ele não sabe que o peso do mundo que eu carrego no ombro diminuiu, que meu cabelo está crescendo, que os meus textos estão menos melancólicos, que meu sorriso apareceu.

  Ele não sabe quais os livros pude ler essa semana. Não sabe quais as matérias que peguei esse semestre. Não sabe são meus novos assuntos. Não ouviu meus novos planos e projetos.

 Não sabe minhas novas séries  favoritas, as quais eu consumi temporadas em semanas. Nem os filmes que eu quis ver no cinema esse ano.

 Ele não sabe quantos amigos apareceram no meu último aniversário. Não sabe qual minha nova musica preferida, não sabe que comecei a gostar de balada. Ele não sabe que com meus novos amigos eu nunca mais me atentei pra saudade dele.

   Ele não sabe que simplesmente deixei de pensar nele e no nosso romance em que tudo me parecia instável.

  Ele não sabe que aprendi a não sobrecarregar meu coração e a parar de confundir  meu cérebro.

   Ele não sabe que andei estando tão só, mas me sentindo menos sozinha que com ele. Ele não sabe que desde que me despedi dele comecei a me tornar minha melhor companhia: e ele nem imagina que foi ele quem me ensinou esta alegria!

   Ele não sabe o presente que me deu: eu.

  M.S.B.

Outros blogs participantes:
Através da Linha
Blog Lysia Ribeiro
Brisa Literária

Amor: o único sentimento que nunca muda

image

     Minha frase preferida ao falar de amor sempre foi “o amor é o único sentimento que nunca muda”, e sempre acreditei muito no poder da mesma.

     Por que eu acho isso? Fácil! Você já amou alguém? Aposto que sim! E o que aconteceu quando a pessoa que você ama te machucou? Bem, você pode ter ficado louca de raiva, pode até ter naquele momento desgostado muito a pessoa, se você for mais radical pode até odia-la um pouquinho. Mas o amor? Ah, o amor! Ele nunca muda. Por mais machucada que você estiver isso não anula o amor.

     E isso serve pra tudo, se  encaixa nos namoros, nas amizades, na família.

     Pensando em todos os antigos relacionamentos podemos ver, mesmo quando a gente quer odiar a pessoa, quer nunca mais ver, quer não pensar mais nela. Sempre uma faísca do sentimento do amor continua lá. O amor pode diminuir de intensidade mas ele nunca muda, amor nunca vira ódio, amor nunca some. O amor ta sempre ali escondidinho te provando que aquela pessoa pra sempre vai mexer com você.

     Se você esqueceu, se você não ama mais, não se iluda meu bem: não era amor!

M.S.B.

Garota morna

     A única coisa pior que sofrer por amor é não amar, essa é a lição do dia.

     Cansada de ser ignorada, não receber carinho e atenção ela resolveu: chega de brigas vou fingir não me importar.

     Foi assim que uma menina que antes e era oito ou oitenta passou a ter um temperamento mais ou menos. Um coração só não bate por dois, não é isso que dizem? Então pra que quebrar a cabeça pra consertar algo que não vai ficar bom?

     Então ela parou. Parou de reclamar do que não gostava, parou de falar que ama quando ele não falava, parou de ir velo quando ele não vinha por mero capricho. Parou. Fingiu. Fingiu não amar, fingiu não se importar.

     Depois de uns meses então ela descobriu: fingiu tanto não se importar que realmente não se importa mais, fingiu tanto não precisar o carinho dele que realmente não precisava mais.

     E assim que o único coração que batia pelos dois parou de bater, e a garota que tentava amar por dois ficou tão morna que desistiu do amor.

M.S.B.

Andar sozinha

esperança

     A vida não é feita só de duetos. As vezes temos que criar nossos próprios solos para viver e sairmos caminhar sozinhos só para mostrar como somos capazes.

     Ultimamente tenho me surpreendido com a minha capacidade de andar sozinha. Talvez a falta de opção tenha me levado a isso mas hoje eu conclui que: se me colocarem em uma ilha deserta eu não morro.

     Você já sentiu que a única pessoa capaz de te entender é você mesma? Você já fez planos para coisas que ninguém acredita? Você acredita em você?

     Tem dias que eu sinto que a única coisa que eu sou capaz de fazer é me trancar no banheiro para chorar. Parece que sou apenas uma garotinha tímida intimidada demais para achar seu próprio lugar no mundo. Mas então eu paro e me coloco em meu lugar: eu sou forte, eu dou conta de andar com as minhas próprias pernas. Eu consigo ser aquela que eu quero ser.

     E então mesmo quando tudo desaba e me vejo virando em mil para assegurar os pilares que me sustentam eu crio ESPERANÇA. Esperança de que assim como algumas coisas estão desmoronando, outras toem seu curso correto. E lá dentro de mim eu sei: tudo se ajeitará.

Por um amor mais leve

lovehihi

      Olha, a gente não precisa ser que nem esses casais clichês que andam por aí, todo meloso e com apelidinhos infantis. Não, a gente não precisa disso. Mas não precisamos ser complicados também cheios de brigas a troco de nada, choros, ciúmes e proibição. Eu quero não quero ser sua vida, mas quero que você queira compartilhar toda sua vida comigo, eu não quero ter só você de amigo, mas quero que você seja o melhor deles.

     Eu quero que o nosso amor seja leve, de um jeito simples e saudável. Quero poder amar sem dependência, sem laço. Quero apenas sentir.

Só quero coisas simples  e saudáveis. Quero achar que todas as musicas de amor foram feitas pra nos dois, que todas as comédias românticas combinam com o nosso amor.

     Eu não quero que a gente seja um casal tradicional, quero um amor do nosso jeito, meio romântico demais, meio grudado de menos, meio louco demais e confuso de menos.

     Quero sentir amor e quero ser amor. Quero perceber que te amo tanto, mas tanto que da um click mental: me ferrei, estou amando. Mas quero ter certeza que pela primeira vez estar ferrado vai ser de um jeito bom.

     Pela primeira vez namorar encaixou em nós, e eu quero você assim, sem ligar pra mais ninguém. Porque os rótulos: eles são pros casais convencionais e não pra gente. ❤

Sobre pequenas revoluções internas

     A uns meses atrás eu acordei pensando em mudar o mundo. Pensando em ser aquela que faz a diferença, aquela que trás felicidade no nome, aquela justa.

     Quando a gente cansa de discordar em silencio uma pequena revolução interna começa e então resolvi: é hoje que eu mudo o mundo antes que o mudo me mude!

     Já chega de fechar os olhos para o que acho errado e é hoje mesmo que a mudança começa. E começa por mim. Antes de eu mudar o mundo de fora mudarei eu por dentro. Chega de ser acomodada, acabou o conformismo.

     Mudei cada atitude minha para o que ao meu ver era o mais correto. Te parece pouco? Pode parecer mas vou lhe dizer: cada pequeno passo que você da te leva mais a frente do que ficar parado. Quero cada dia ser uma mulher melhor do que fui ontem.

     E hoje pensando nos meses que se passaram vejo: eu ganhei vida. O ativismo por menor que seja tem que começar de dentro de nós mesmos.

     Ascenda a faísca da revolução que mora aí dentro e se deixe viver, te garanto que daqui uns meses você vai acordar satisfeita com a pessoa que você é.